Coordenada

Sangue de metal?

Diário de bordo de Jowfish.
Segunda-feira, 22 de novembro de 2010.

      Começou a correr um boato de um certo povo com sangue de metal... Ou de metal que solta sangue... Sei lá. Uma coisa do tipo...
      E nos disseram que era coisa que vinha lá pra lá dos mares...
      E pra lá nós fomos...
      O interessante é que, quando chegamos ali, a gente não encontrou NADA do que diziam...
      As pessoas tinham o sangue vermelho [tá, também tinha ferro, mas no de TODO MUNDO tem!]... MUITO MENOS os metais soltavam sangue.
      Imagine a IRA mortal que eu fiquei!!!
      Mas calma, pequenos Marinheiros. Nem tudo foi perdido.
      Andando pelos campos dali, encontramos o Kampos.
      Um rapaz todo estranho, tadinho... Cabelo comprido e preto... Magrinho que só vendo...
      Quando a gente chegou perto do cara... E ele nos viu... Vixi marela!
      Os olhos do garoto perderam o foco e seu rosto caiu em espanto profundo... Correu [do jeito que conseguiu] até a gente, caiu quando estava chegando perto... E se agarrou nas pernas da Capitã Revoltz pra se levantar [espertinho...].
      Tentamos acalmar o coitado... Mas antes que eu conseguisse dizer alguma coisa, ele começou a falar, olhando pra tudo que é canto...
       “Corra! Corra enquanto ainda podem! Essas pessoas são loucas! LOUCAS! Tudo, aqui, é motivo de vingança! TODOS querem vingança! VINGANÇAS DE SANGUE! Fujam! Fujam enquanto ainda não foram vistos...” E desmaiou.
      COMO uma pessoa desmaia no MEIO de um aviso?! Isso é um absurdo! Ao invés de dar o aviso mesmo, o acara acabou deixando a gente ainda MAIS curioso...
      Descobrimos uma garota metaleira, por ali, chamada Nathalia, que teve sua irmã assassinada... E ela quer vingança por isso.
      Mais tarde, ela descobre que o assassino... Finjam que desmaiei, agora...
      Encontramos, também, um grupo de vampiros... E TODOS tinham alguma ponta solta... Algum motivo adivinha pra quê...? Vingança. E um deles, caía sobre a coitada da Nathalia.
      Começamos a sair antes que alguém nos visse ali bisbilhotando... Mas foram mais rápidos que a gente.
      Quando estávamos deixando a cidade, uma sombra bloqueou nossa passagem... Kampos.
       “Eu avisei para deixarem a cidade enquanto não estavam envolvidos com ninguém. Agora não sairão mais... Ou iremos atrás de vocês.”
      Aí fomos cercados por umas sombras nada amigáveis...
       “Por mais qu’eu queira uma briguinha...” começou a Revoltz. “Não tô com paciência pra isso hoje.”
      D-O—N-A-D-A, a mulher tira um saquinho colorido de dentro da manga e taca no chão, fazendo um BAITA dum clarão...
      Pensei “Pronto! Essa LOUCA quer me matar!”
      Quando abri os olhos, toda a Tripulação tava dentro do Navio... Navegando pra longe daquelas terras sangrentas... Ouvindo as promessas de vinganças de Kampos...
      Eu, hein... Gente doida...

Kampos disse...

Hehehehe!! Curti!! Como diria o Silvio Santos: Muito bem bolado!! Hehe!!

Valeu pela força, o apoio da galera blogueira é muito importante!! :)....

Grande Abraço!!

Obrigado pela divulgação!! ;)....

Kampos

Larissa Vicentini. disse...

Olha, ao fim da chamada cheguei a questionar se o post não estaria tão ou mais elaborado que o livro indicado. Anyway... Só comprando pra saber.

Bjaum.