A Lanterna é Sua

O conto abaixo foi produzido por Rafael Soares, que o fez seguindo a atividade de sábado. Nada nele foi adicionado, cortado ou alterado de qualquer forma.

Rainymood

Ah, que saudade que eu estava da chuva. Sempre gostei de olhar pras gotas caindo e admirar como a chuva não discrimina ninguém. O doutor, quando sai do seu Porsche pra entrar em um restaurante italiano toma chuva. O mendigo, quando sai da sua ‘moradia’ improvisada com caixas de papelão e toldos velhos e sai vagando para implorar por um café, toma chuva.
A chuva não escolhe onde cair, a chuva não planeja nada, a chuva simplesmente acontece. É o fenômeno mais sincero da natureza, na minha concepção. Ela cai simplesmente porque precisa cair, e quando tem que acontecer, ela cai e não há nada que alguém possa fazer para impedir. A chuva não se frustra, a chuva não tem expectativas. Quando todos aqueles fatores propícios para que ela caia se concretizam, é inevitável. Não tem o que fazer.
Olho da minha janela, sozinho, e vejo que a chuva sempre me lembra que somos parte de um todo, e o quão insignificante é a existência de “pensamento” no ser humano. Não adianta planejar, enxergar os futuros fenômenos do tempo se você esquecer o seu “guarda-chuva”. O acaso, o aleatório, o chamado “destino” é o deus que rege toda essa existência.
Não sei, exatamente, quando eu passei a ter esse tipo de pensamento... Talvez ontem a noite? A gente vive a vida inteira pensando e planejando e quando chega em um beco sem saída, ou se “resolve” pela oração ou simplesmente resolve viver e deixar sua vida ditar o ritmo, sem questionar ou se preocupar. Difícil pra quem tem a natureza questionadora simplesmente deixar de duvidar de tudo e questionar a todos. Basta um simples fenômeno natural para que tudo passe a fazer sentido e a vida se torne simples de novo.

Lii disse...

Uau! Adorei! :D

OPL disse...

Pois é, né!!!

Escreve melhor que eu, já!!!

E diz não gostar de escrever ¬¬'

Lii disse...

hehehe

Ele escreve muito bem!

Logo, logo perceberá que gosta de escrever.
Eu espero, pelo menos.
(ps: sim, eu fiquei curiosa e vim procurar as suas respostas rs)

OPL disse...

VAI DORMIR, MARUJO!!!

UHASUIHAUSHIAUSHUAHSIUASHIUHAIUSHUASIUASUHIAUSSAIUSHAUIHUAHUASHUHAS

*___*

Mey disse...

De uma coisa tão corriqueira surge algo tão belo e profundo. Nada com exercitar a imaginação criadora!