Survival Horror: Revelations


Diário de bordo de Capitão Fukumoto.
Terça-feira, 18 de Novembro de 2014.

Queen Zenobia; o cruzeiro infernal
Olá marujada! Eu voltei para falar de uma franquia linda, maravilhosa e digna de ser comentada aqui: Resident Evil: Revelations. Todos nós sabemos que a franquia original seguiu para um rumo diferente; de zumbis passamos a matar pessoas infectadas por alguns vírus, que te xingam em espanhol e por aí vai.
Para mim, RE6 ainda tentou resgatar um pouco do passado da série, mas muitos não gostaram do game. A série passou a querer agradar as pessoas. Acho eu, que é por isso que ela virou o que ela é hoje. Resident Evil passou a ser mais um jogo de tiro do que de survival horror. Zumbis? Humanos infectados pelo C-Vírus? Não tomei quase nenhum susto com RE6 do que comparado aos primeiros jogos da série. Com o RE6 a Capcom percebeu que os seus jogadores querem o foco no survival horror, ou seja, querem um jogo de Resident Evil que seja Resident Evil.

Então, já que o primeiro RE: Revelations
Afflictes
teve foco no survival horror, por que não continuar com a franquia? Sim meus pequenos marujos, enquanto a série principal se volta e vai caminhando com o gênero ação, a série Revelations trás de volta o survival horror. Apesar de ter nomes diferentes e “gêneros diferentes”, as histórias se conectam; O cruzeiro Queen Zenobia, por exemplo, foi construído a partir de diagramas do arquiteto George Trevor, o mesmo arquiteto da Spencer Mansion nas montanhas de Arklay. 

RE: Revelations lançou primeiro para o portátil 3D da Nintendo e possui um belo gráfico. Não sei quem pode jogar, mas completar o game com ou sem o 3D são duas experiências diferentes. A diferença está no que a novidade do console pode proporcionar para o jogador. Ambientes com um ar de profundidade e outros aspectos que parecem “saltar da tela” proporcionam uma ótima experiência. E outra, ver a linda da Jill Valentine dando tiros em Oozes em 3D é mágico. Mais tarde o jogo recebeu uma versão HD para os consoles de mesa da Sony, Nintendo e Microsoft. Os gráficos estavam ainda melhores e o game também trazia algumas novidades. Bom, preciso comentar que eu amo jogar com a Rachael no Raid Mode. Ela é tão meiga com aquele cabelo sexy –what

Moira Burton e Claire Redfield

Enquanto no primeiro game da franquia você enfrenta o vírus T-Abyss, que é uma mistura do T-vírus com o vírus Abyss, no novo jogo da franquia, você enfrentará os Afflicted. O que são eles? Humanos que sofreram algum tipo de tortura e ficaram loucos. A origem deles ainda é desconhecida. Apesar de serem humanos, para quem viu a demo, percebeu que o bagulho tá louco. Vi um monte de gente morrendo quando os Afflicted chegaram. Para quem ficou feliz de ver a Jill Valentine e o Chris Redfield no primeiro game, por que não ficar feliz com a volta da linda irmã do Chris? Sim, a sumida Claire Redfield gostosa está de volta. Desculpa gente, ela é a minha personagem favorita da série. O jogo também trará Moira Burton que é filha de Barry Burton do primeiro jogo do RE; ela te ajudará com uma lanterna por que ela tem medo de pegar em armas. Ao que tudo indica seu pai também será um personagem jogável, mas ainda não tivemos um pronunciamento oficial da Capcom em relação a isto.

O jogo será lançado em capítulos e depois uma versão completa deverá aparecer. O lançamento está previsto para início de 2015. Quem ficou interessado, sugiro que jogue o primeiro Revelations, por que vocês não irão se arrepender. E outra, vai que o primeiro e o segundo jogo da série possuem alguma ligação.

Anyway... É isso aí pessoal! Espero que tenham gostado. E só para lembra-los, o lançamento mundial de Pokémon Omega Ruby e Alpha Sapphire é nesta sexta. Então quem ainda não quebrou o cofrinho, corre quebrar e corre reservar sua cópia! Bye~


Lucas Barbosa disse...

Ansiosíssimo pra continuação no ano que vem :D