Preconceito: A Origem

Diário de bordo de Jowfish.
Quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011.

“Tá, então talvez esse seja o começo de preconceitos... ‘Construtivos’? Mas como surgiu, então os preconceitos de verdade?”
... Como assim “de verdade”?
“Uai, os raciais, sexuais, sociais...”
Ah, sim. Bom, primeiro que todos os preconceitos são “de verdade”. O problema é como vemos cada preconceito.
“Como no caso da caverna.”
Exatamente.
“Tá, mas como começou, então.”
Bem... Pra isso teremos de voltar um pouquinho... Lá atrás, quando o homem descobriu o primeiro objeto pontudo de ferro...
E descobriu que aquilo machucava.
Antes disso, todos viviam serelepes pimpões... Felizes da vida, todo mundo fazendo sua parte igualmente... T-O-D-O-S!!!
Mas... Com a nova descoberta, eu não precisarei mais trabalhar. Você trabalhará pra mim E pra você, me dando a minha parte.
“E se eu não quiser?”
Eu tenho uma arma pontuda na mão. Se tu não fizer o que eu quero, não vai fazer mais nada.
“Mas e se um fortão pegar esse cara? Mata ele na porrada.”
E é aí que surgiram as classes sociais.
“Me perdi...”
Quem tinha a arma, tinha o poder. Então era o líder.
Só que, estando sozinho, a tribo poderia se voltar contra ele, principalmente os fortões.
Daí, eu, o líder...
“Por que você é o líder?”
Porque eu sou o Capitão e tenho uma arma pontuda. Cala a boca.
“Isso não é justo...”
Daí, eu, O LÍDER, chamo esses fortões e digo que, se eles se juntarem a mim, não precisarão mais trabalhar, só recolher os impostos.
Quando eles aceitam, temos três classes: o líder [ou rei, imperador, faraó], os fortões [militares] e os que trabalham [servos, ou escravos].
Com isso, o líder não se relaciona com servos, nem com militares. Militares não se relacionam com servos... E assim vai.
“Mas como isso pôde dar certo? Se era um líder, não devia ter acabado logo?”
Não existia só uma tribo, ou nomo, como eram chamados. E uma nomo conquistava a outra. Líder com líder, militar com militar, servo com servo...
“Mas então... Teve algum país que surgiu assim?”
Claro! O Egito, por exemplo.
“Uau!”
É, rapaz... O Preconceito é muito mais antigo do que pensa.
“Dá pra ver...”
E está nos lugares onde tu menos imagina.
“Me perdi de novo...”
Esse é um assunto pruma outra conversa.
“Outro post.”
Que seja.

Larissa Vicentini. disse...

É. É a lei do mais forte. O que é lamentável...
Ainda sonho com uma sociedade com menos preconceitos o quanto possível. Muito mais respeito, muito mais cooperação... E bem menos medos comodistas. Acovardantes* [XD].