A Fronteira Religiosa

Diário de bordo de Jowfish.
Qiunta-feira, 07 de abril de 2011.


SPLASH! CRASH! PAFT! PLOFT! TCHIBUM!

“Oloco, capitão. Que que se sucede aqui, cara?”
POR QUÊ?! POR QUÊ?!
“Eu que pergunto! O que tu tá fazendo?”
FAZ TRÊS VIDAS QUE EU TO TENTANDO FAZER UM MALDITO POST E NÃO SAI!!!
“Vixi, que estresse! Relaxaí, capitão. Todo mundo tem bloq...”
Termine essa palavra e eu te jogo de presente prum tubarão.
“Uff... Que irritação logo cedo, cara... Que aconteceu?”
Já faz uns CINCO dias que eu tô tentando fazer com que um post safado saia... Mas ele INSISTE em não querer sair.
“Uai... E por quê?!”
Por que NÃO INTERESSA o jeito que eu faço... essa JOÇA CONTINUA DANDO PROBLEMA!!!
“Uai... problema por quê?”
Porque TUDO que eu falo parece que eu to contra esse negócio
“O quê... religião?”
É.
“E tu é contra?”
Eu sou contra muitas coisas...
“Encaro isso como um sim?”
Sim.......................................................... e não.
“E eu com medo de tu ser vago...”
Eu só sou contra esse negócio da religião tirar a capacidade do homem.
“... Com assim?”

Uai... sempre que alguma coisa boa acontece, é porque deus quis... se deu errado, é porque foi erro da pessoa, ou ele tava nas mãos do di.

“Di?”
Dimônio.
“Ah.”
Por exemplo, se chega um paciente à beira da morte num estado quase semi-impossível dele ser salvo... e um médico vai e salva a pessoa. Na hora, todo mundo agradeça a quem? Ao médico ou a deus?
“A... deus...”
Exatamente. Se deus não quisesse, o médico não teria conseguido fazer coisa nenhuma... O talento dele, o esforço, o mérito, foi tudo enfiado no meio do...
“CAPITÃO!”
[respira... respira...] Maus... Mas é que ver que os que conseguem não são aplaudidos, mas os que falham são apedrejados, porque deus deu a oportunidade, mas a pessoa não soube aproveitar...
Além daquelas religiões que INSISTEM em querer denegrir a outra, pra se achar superior...
Cara... Isso me deixa doente.
Uma crença que precisa destruir outra pra viver não merece o meu respeito.
“Nossa... Parece que tu não gosta mesmo de religião...”
Tá vendo?! É isso que eu to falando...
“Tá, tá... Qual a tua, capitão?”
A minha o quê?
“Sua religião, tonto!”
QUÊ?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!
“Sua religião............ santo! Santo! Eu disse ‘santo’!”
Sei...
“Então... Qual é a sua religião?”
É uma coisa meio complicada... Eu tenho e não tenho religião...

“Explica isso direito, capitão... Tu é ateu?”

Bom... Seria ateu por não acreditar em um ser supremo... Mas seria um tipo de pagão por acreditar no ser humano.
“Explica isso direito, capitão...”
Ixi... esse assunto é looooooongo... Vamo deixar pra outro dia.
“Tá. Mas por que tu não tem nenhuma, cara?”
Garoto... tu tá se achando muito íntimo, né?
“Ah, capitão! Já somos quase espada da mesma bainha...”
Kraken nele...

Larissa Vicentini. disse...

Heee!

Tô colecionando adjetivos pra mim... "Leviana", agora "pagã", então.
Bom... Você sabe que a maioria dos discursos religiosos também não me agradam pela mesma questão. A incapacitação do Homem.

Mas, ultimamente, estou num período mais... "Ponderado" para pensar a vida, o Homem, as relações, os grupos, as instituições...
Não que eu não surte frequentemente. Aliás, ontem coloquei uma nota no Facebook que farei de post. =D

Beijo.
E vê se deixa pista em outras embarcações também.

Historias tristes e reais... disse...

ADOREI!!!!